segunda-feira, janeiro 03, 2011

segundo livro de orações

/quarta


espero pela noite que o teu beijo
apagou num sopro branco e lento

espero pela suavidade dos teus lábios
roçando os meus pensamentos
como uma amante dedicada e fiel


espero que a luz da noite que beijas
oculte a sede e a inquieta perda
dos sentidos e do sentido desta espera



anseio-te vestido de branco
adivinho o roçagar do teu olhar pelo
firmamento fora, como se houvesses
roubado o mapa da minha alma deserta

espero escutar o rouxinol transfigurado
de canto rouco e trôpego (trinado surdo
que a noite engole e regurgita com inveja)



- fosse minha a voz que escuto por detrás
da lua, fosse teu o espanto da coruja que
morre, fosses noite e beijo e vento agora.


dois: 01, MMXI

5 comentários:

delusions disse...

espero pelo dia que os teus lábios
fizeram nascer debaixo das palavras

espero pela doçura do beijo
que toca tudo o que sou
num arrepio de magia e desespero

espero que a paz da noite que abraças
embale os teus sonhos e desejos
pequeninos-meninos-perdidos-sozinhos

anseio o desenho dos teus traços
todas as horas que te adivinho na
falta que me fazes como se eu já
não fosse eu sem ser contigo

espero a musica infinita
que sai dos meus dedos no piano ainda mudo
que ninguém compreende mas todos querem

fosse minha a voz dos teus sonhos, fosses tu o sussurro de todos os silêncios
fosses tu morte e vida, partida e eternidade. Presente.

Nunca seremos quem fomos antes de nós. Um não-retorno.

(tanto que se reza e se dói e se espera... somos selecção ou luta agora?)

hfm disse...

saudades...

que bom foi ler o comentário e ler estas palavras fortes que me cantam ao ouvido.

bom ano, amigo.

alice disse...

uma enorme alegria voltar a lê-lo. obrigada pelo seu comentário! um beijo.

Tempo disse...

Eu tb sinto saudades suas.

(della-porther)in tempo

alice disse...

boa.tarde :)

se quiser contactar a isabel mendes ferreira, o ideal será conectar-se ao facebook e sugerir-lhe amizade. é lá que está o piano, agora. ainda toca!

um beijinho.