sexta-feira, outubro 09, 2009

III

eras a nuvem sob os castelos
de sombras e de palavras densas
que lia quando sonhava
a eternidade de cada lugar.

e eras a chuva que a desfazia
arremessando ameias e sílabas
para o abismo do passado,
para o negrume de qualquer vida
sem o horizonte ocultado
pelo teu vulto.

e eras o livro que se escrevia
com os silêncios nascidos
da chuva (
o mar cantava em polifonia
com outros silêncios
) e nessa escrita perdias-te
na hermenêutica da minha
presença.

eras o prado onde a chuva
dormia, onde cada gota
encontrava o meu olhar e
se tomava de sal.

e eras o refúgio de lágrimas
que não brotavam já
do mesmo céu.

e era belo o diálogo subtil
da chuva com os meus
mares, com os lagos onde
afoguei o lirismo, com os
charcos que mascaram as
rugas do meu tempo,
com os riachos por onde
descem sons e mortes –
mortes silentes e sons sem vida.

eras toda a água –
eras toda a água e
até no deserto
me esperas.

08.out.MMIX

3 comentários:

Azul disse...

eternamente...

mil beijos. zul.

Azul disse...

tantas são as imagens que me retornam o teu olhar...

(estive de visita ao album fotográfico e deslumbrei-me com a lua e outras tantas... fosse esse o meu olhar e eu seria, certamente, um outro alguém!! Adorei!!)

beijo

Maria disse...

bom voltar a reler-te; sempre o mesmo prazer, sempre a poética que tanto gosto!